usuários online
 
 
 
Fashion Import
 
http://trendytwins.com.br/img/imagens/tit_girls.jpg
Faça parte desse grupo

Investir ou Resistir?  

Categoria(s)

por Vivi




A questão que permeia o pensamento da consumidora: compro ou não?

Nosso blog é centrado em consumo e seria no mínimo incoerente fazer de conta que desconhecemos esse tipo de dilema desejo x marca x produto x necessidade.

Fazer a egípcia nessa hora não traz benefício pra ninguém, então por mais polêmica que seja a questão, cartas na mesa!

Fato: consumimos quantidades absurdas de produtos de higiene e beleza; muito além do que precisamos, mas também muito menos do que desejamos. Por quê?

Numa análise comportamental feita com toda minha psicologia adquirida na banca de jornal, podemos observar duas coisas importantes:

- necessidade
- desejo

Necessidades
Nosso organismo precisa de higiene e proteção contra agressores externos. Ou seja, agentes de limpeza + protetor solar à base de pasta d'água, por exemplo.

Desejos
Eu quero ficar limpinha e protegida, mas de alguma forma me sentir ainda mais gratificada com isso. Quero um shampoo que limpe, hidrate e tenha perfume de salão ryco + protetor solar rapidamente absorvido pela pele, com efeito matificante, que substitua a base, seja foto estável e contenha antioxidantes.

Perceberam que entre minha necessidade real e meu desejo existe pelo menos 80% de acréscimo no valor final do produto, com o fator "qualidade" embolado aí no meio?

Aí começam as discussões intermináveis, onde termos como vaidade excessiva e futilidade são amplamente utilizados.

Normalmente quem começa esse tipo de discussão está pensando apenas na questão financeira. Muito bem, já que a questão é mesmo muito importante e crucial para 99% da população terrestre, ou seja pra todos nós. Mas ao mesmo tempo é tão desagradável e desgastante ter que ficar justificando porque a gente quer um Sun Protection Compact Foundation SPF 34 PA+++ Shiseido que normalmente concordamos com a cabeça e acabamos cheios de culpa depois só por querer ou, pior ainda, por ter realmente comprado o superproduto.

O que pouca gente assume é que o incômodo maior reside no fato de nosso país ser um dos pontos mais caros do planeta para adquirir produtos de grandes marcas e que as mesmas pessoas que condenam nosso amor cego por produtos da marca X (que tem qualidade e resultados supimpas) são as mesmas pessoas que têm acesso garantido a compra desses mesmos produtos lá fora, por conta de viagens constantes.

Quer dizer, o grande problema é que queremos os produtos e efetuamos a compra deles aqui mesmo, ainda que pagando mais caro e fazendo uso do parcelamento no cartão de crédito, criado justamente para esse tipo de consumo. Daí o bom produto vira vilão. Já comprar lá fora pela qualidade e preço bem mais baixo vale a pena e valida o desejo.

Pagar pelo preço cobrado aqui na terrinha, então, é a burrice. Assim, quem não viaja está condenado a "ser burro" por querer consumir com qualidade, dentro de suas possibilidades?

É um ato de inteligência superior comprar 22 batons de R$4, quando o que eu quero na verdade custa R$90 aqui no Brasil? É justo me chamar de deslumbrada por isso, por querer um batom enquanto posso ter 22 e entre esses 22 nenhum deles é aquele que quis desde o princípio?

Devo ignorar que uma base de R$200 aqui, pode custar U$60 lá fora, mas que eu não vou pagar U$60 simplesmente porque não tenho condições de viajar nesse momento? Devo comprar uma base de R$30 por isso ou investir em um parcelamento coerente, por um produto que ficará em contato com minha pele por quase 12 horas por dia?

Meu ponto é, consumo inteligente não é apenas consumir o imediatamente mais barato. Dizer que shampoo é shampoo e batom é batom e que é tudo a mesma coisa, com exceção do preço é, no mínimo, fruto de inocência. O melhor que posso dizer pra vocês, baseado naquilo que vivencio é: primeiro experimente, depois forme sua opinião.

Existem dezenas de maneiras de um produto com a mesma função ter um diferencial gritante em relação a outro. Talvez centenas de maneiras, dependendo do produto.

A inteligência no momento da compra é justamente aquela tão alardeada por quem consome produtos de valor acima da média: quanto vou me beneficiar com esse produto? Quantas vezes vou usá-lo? A função e o benefício que ele proporciona é aquilo que eu preciso?

Pesando todos esses fatores e consciente de sua verba disponível, faça sua escolha. Aqui ou acolá, não interessa. O que importa é que você, e só você, deve ser responsável pela sua decisão de compra, não os vendedores e muito menos os críticos de plantão.

Vivi

E a indústria nacional?
Pobre do fabricante que ousa pensar me matéria prima superior ou processos modernos de fabricação... É feito no Brasil? Tá caro! tá caro! tá caro!


Pequeno update da Ana:

Resta pouca coisa a dizer depois desse ótimo post, então vou só fazer uma colocação. A única coisa que discordo no meio de tudo que a Vivi disse, se é que isso significa discordar, é que hoje em dia sou absolutamente contra parcelamento de cartão na hora de pagar pelo DESEJO. Porque vamos ser sinceras, é rara a pessoa que consegue se controlar com um Visa na mão. Nem meu pai, que é o sujeito mais taurino da face da Terra. Hoje, depois de anos afundada em dívidas que eu nem sabia que tinha adquirido, e de parcelamento rolando com juros e juros a perder de vista, posso dizer que me livrei do problema. Só parcelo compra de NECESSIDADE, e mesmo assim só em caso de coisas absurdamente caras pra minha conta bancária.

O que quero dizer com isso: só parcele seus desejos de beauty no cartão se você tem costume e condições financeiras de abater o valor total da fatura no dia do vencimento. Se não é o seu caso, como acabava nunca sendo o meu, compre com o coração apenas quando o dinheiro estiver nas suas mãos, todinho. Faça um cofrinho. A melhor coisa do mundo é não se endividar, e não existe pessoa melhor pra falar sobre isso do que eu, viu.

Tirando isso, que não era o foco do post, aliás, assino embaixo de tudo o que a Vivi falou. :)

PS do PS, esse é da Vivi (rs)

Essa questão que a Ana levantou é muito importante. Consumo inteligente tem a ver também com controle emocional em dia. Do mesmo jeito que é difícil segurar a panela de brigadeiro para algumas pessoas, manter a rédea curta no cartão é tentação capital para outras. Mas é tudo uma questão de maturidade e autocontrole, é uma coisa que ninguém pode fazer por você, tipo escolinha da vida mesmo.

Sabe aquele exemplo de que armas não matam pessoas, mas pessoas que apertam o gatilho, sim, matam pessoas? Mesma coisa. O cartão não fará uma compra sozinho e menos ainda vai pagar o valor mínimo da fatura se você não autorizar. Os juros são altos, mas quem consente o pagamento é você. Tenha a força! Crédito é um facilitador na hora de conquistar coisas. Quem transforma em problemas somos nós.

A Lu perguntou nos comentários por que eu não compro em sites internacionais que entregam no Brasil. Compro, sim, Lu, mas muito raramente. Normalmente quando o produto não é vendido no Brasil e nenhuma das minhas vendedoras de confiança tenha***. Porque:

a) por não ter paciência em esperar chegar.
b) pelo risco de ser taxada e
c) o fator mais importante: idealismo.

Sei que é uma bobagem da minha parte e que poderia me beneficiar muito comprando fora, mas tenho essa porção idealista ferrenha pulsante, que apesar de todos os contras e pesares, acha que precisa fazer a sua parte, mesmo que seja aparentemente mínima e que nem faça cócegas na economia nacional. Gosto de pensar que estou ajudando, de alguma maneira a manter empregos em lojas, transportadoras, distribuidores, enfim, quero pensar que estou fazendo algo que me fará feliz e ainda pode fazer outros brasileiros felizes, indiretamente (já que ter pais e mães empregados é primordial para a alegria de muitas famílias, né. Quem já teve pai desempregado vai entender na hora). E nosso nível de consumo nesse nicho (hiegiene e beleza) é gigantesco, tem representatividade assustadora.

Acho que não prejudico ninguém com minha escolha e, desde que me mantenha em meu orçamento, também não saio prejudicada.

Mas não sou xiíta nem panfletária, tanto que Renata Kelly está aqui no blog toda semana, ensinando todo mundo a comprar direitinho lá fora, se assim preferir.

:)


42 comentários

Vivi, acho que o pulo do gato é entender o que cabe no orçamento de cada um e saber se permitir um luxozinho quando for possível. Acho que existem marcas nacionais que quebram um galhaço, é só saber reconhecer.Mas acho também que caro é aquilo que: a gente compra e não usa; a gente usa e não funciona; a gente usa e faz mal. É o velho ditado do barato que sai caro!
Na minha vida, to tentando muuuuito consumir com consciência,às vezes consigo, às vezes...
Beijos,
Ana
http://duramasfeliz.blogspot.com/

excelente post e excelent colocação da Ana. Eu me dei de presente um único batom da MAC, mas nem tive tempo suficiente pra testar porque usei 2 vezes e perdi... deve ter caído da bolsa quando tirei algo de lá. fiquei muito chateada, mas agora sem chance alguma de comprar outro... snif!

Vivi, parabéns pelo post! Você trouxe à tona uma série de questões importantes na hora de consumir cosméticos. Acho que o mais importante é realmente a liberdade de se escolher conscientemente o que e onde comprar. Absurdo é criticar...
Eu mesma, já descobri que prefiro sim dividir no cartão e ficar feliz do que comprar baratinho e nunca estar satisfeita. O dinheiro foi feito para nos proporcionar prazer. E é assim que eu vejo. Eu que ganho, e faço dele o que me deixa mais feliz!

http://makeupanyway.blogspot.com/

Esse post ganhou o prêmio de mais querido de toda a blogosfera!
Claro que esse é um blog de beleza e consumo, mas não é por isso que a gente tem que sair por aí se endividando, não é mesmo?
Way to go, girl!
Beijos!

Oi Vivi! O planejamento do orçamento mensal destinado aos produtos de beauty é a primeira ação (pra mim eles não são a prioridade!!!!mas nunca deixo de comprar).
Em segundo lugar eu particularmente não parcelo nenhuma compra pq eu já passei pela experiência de ficar pagando mil parcelinhas sobrepostas q acabavam por comprometer grande parte do orçamento.
Terceiro: descobri as maravilhas de comprar em sites internacionais!!! O preço fica mais justo e ainda podemos nos valer de marcas bem em conta e de qualidade (aka NYXXX!!! luv)
bjs shooshoozinhos Jó

Simplesmente adorei o post de hoje... Aliás, encontrei o blog essa semana e adorei também. Parabéns, meninas!
Pior que eu sempre entro nesse dilema NecessidadexDesejo quando vou comprar alguma coisa e sempre tem o DiabinhoxAnjinho piorando na minha decisão... ahahahaa A minha sorte é que posso comprar em lojas do Paraguai que além de ser mais barato por não ter imposto sobre o produto, é pertinho e tem qualidade!

Vivi, mto legal o post, Concordo com todos os comentários. Mas, só um adendo, pq vc não compra em sites internacionais? Eu raramente viajo p/ fora mas tenho acesso a quase todos os produtos "objetos de desejo" em sites como o http://br.strawberrynet.com/makeup/shiseido/?LineId=5113#5113, onde a sua base querida, em versão bastão, está custando R$ 64,00 (são reais mesmo) e eles tem entrega rastreável e gratuita para o Brasil!

Sou o que alguns chamam de unha de fome, mas não creio que seja isso, só sou econômica mesmo.
Em minha lista de desejos tem Nars, Mac, Lâncome e etc.
São coisas que alguns consideram de preço exorbitante, mas qualquer um que seja realmente econômico, sabe que desperdício é pagar R$ 10,00 em algo que não vai usar, então paga R$ 90 ou mais em algo que vale a pena.
Quem é econômico, sabe que qualidade e durabilidade são otimos investimentos.

Muito bom este post,parabéns!
Concordo que com bom senso e planejamento é possível sim nos darmos determinados prazeres. Mas pra isso a cabeça tem que estar muuuito no lugar...se nõ já viu né....
Bjs.

Vivi,

Gostei muito do post, nessa terrinha os produtos importados são realmente inflacionados, ainda não sei porque, pois as minhas contas não batem! Um produto de $16,00 vendido lá fora eu comprei aqui por R$96,00. Vi o valor em dolar só depois! Fiquei SUPER assustada. É vendido a esse valor lá fora com o lucro, certo? Então pq não se vendo de uma forma decente aqui? $16,00 x 2(estou colocando o dolar a R$2,00!) R$32,00 + R$19,20 (60% de imposto)= R$ 51,20!!!! E é vendido aqui a R$96!!! Surrealllll.
Tenho comprado em uns sites americanos. No momento pra mim é a melhor solução, que quero investir em bons produtos!

Bjks

Nat

http://beautyeumpoucomais.blogspot.com/

Adorei o post, sempre é bom parar pra pensar no que a gente compra. No que nos leva a comprar/desejar certas coisas. Se o produto vale o quanto custa. Etc.
Eu vou viajar daqui alguns dias e já estava pensando em tudo o que vou poder comprar. Mas, peraí, será que eu preciso mesmo disso tudo? Será que vou usar isso tudo? To procurando selecionar o que eu realmente quero e acho que vale a pena.

Obrigada pela reflexão, meninas :)

Tem produto bom, brasileiro e barato.
Tem produto bom, importado e barato.
Tem produto brasileiro, caro e ruim.
Tem produto importado, caro e ruim.

Eu agradeço por ter internet, pelos blogs, pela troca de experiências cázamiga. Eu compro a imensa maioria dos meus cosméticos por indicação.
Claro que o que fica bom em fulana, pode não ficar em mim; mas fazendo dessa forma a margem de erro é bem menor. E antes?
Antes eu comprava mais produto brasileiro, barato ou caro bom ou ruim... E isso saiu caro pra mim, viu. Muito mais caro do que um importado comprado lá fora ou aqui dentro mesmo.
Como diria minha avó: se bater no liquidificador, não daria um copo.

Muitas vezes é melhor parcelar a perder de vista, um produto durável, e cheio de beneficios do que precisar comprar um meia-boca por mês.

O Brasil com essa bica de impostos não vai me segurar de comprar meu importado predileto, e vai fazer com que eu crie cada vez mais preconceito com os nacionais.

E é muito gostosa a satisfação de ter um mimo, uma coisa que queremos, sabemos que adoramos e vai durar muitooooooooooo.

Obrigada, meninas :)

Lu, vou responder sobre as compras no exterior em um PS lá no post, tá?

Bjubju!

mt legal, tudo depende também do bolso de cada um rsrs. beijos

Ótimo Post... eu vivo esse dilema diariamente... e o pior que eu não sei mais distinguir desejo de necessidade... eu chego a desejar tanto algo que vira necessidade, pois se eu não tiver não vou me sentir completa...
Quanto às compras no exterior, periodicamente eu tenho acesso a compra de produtos em viagens, minhas ou de parentes muito próximos (no máximo pai, mãe, irmã, pois não vou encher o saco de outras pessoas com isso), mas eu sou do tipo que não aguenta esperar 2 meses para comprar o batom X que eu quero AGORA... acabo comprando aqui mesmo, mesmo sabendo que é quase 5 vezes mais caro... é a vida, mas eu moro no Brasil, o que adianta eu esperar pra comprar a cor que tá usando no verão só quando o verão tá chegando ao fim?

Ótimo post Vivi,legal esse tipo de matéria que levanta vários fatores e faz a gente parar para pensar..
Acho que cada um deve consumir aquilo que pode, comprar sem comprometer o orçamento mensal com produtos de beleza.mas,acredito que devemos ter um produto de qualidade ao invés de 3 produtos meia boca,principamnte em se tratando de pele...
Prefiro pagar 120,oo em uma base mac,do que ter 3 bases que não fazem o serviço direito é aquele tal do barato que sai caro.
resumindo,prefiro ter poucas opções,mas que me satisfazem ao invés de ter tudo, e ao mesmo tempo nada...prefiro qualidade do que quantidade.
Beijos!!!

Meninas, adorei o que escreveram, simplesmente dizem exatamente o que pensamos...e dividir estes pensamentos com namorado/ marido? Eles nunca entendem, para eles, nunca "precisamos" de nada, rs
Bjs e parabéns!

adorei o texto...

Isabella Rabello   says 18 de maio de 2010 14:55

Adorei o post, meninas! Tudo que eu queria falar já foi dito nos comentários, mas não poderia deixar de dar meus parabéns.

Ah, só pra esclarecer ainda mais desejo de necessidade, segundo o dicionário Michaelis
desejo
de.se.jo
(ê) sm (baixo-lat desidiu) 1 Ação de desejar. 2 O que se deseja. 3 Anseio, aspiração veemente. 4 Cobiça. 5 Apetite, vontade de comer ou de beber. 6 Apetite carnal, concupiscência. 7 Desígnio, intenção. 8 Psicol "Impulso, acompanhado da imagem da sua satisfação; surge quando há demora na satisfação desse impulso"

necessidade
ne.ces.si.da.de
sf (lat necessitate) 1 Aquilo que é absolutamente necessário. 2 Indispensabilidade. 3 Inevitabilidade. 4 O que não pode ser de modo diverso do que é. 5 O que tem de ser. 6 Fatalidade. 7 Impulso orgânico. 8 Precisão instante e urgente; aperto, apuro. 9 Pobreza, míngua, miséria. 10 Carência ou falta de coisas preciosas.

Podemos investir.... recriar... ;)

A-M-E-I o site! <3

beijao, de Portugal

Os sites internacionais facilitaram muito a solução do dilema investir X resistir. Eu resisto a pagar 69 reais num batom da MAC (na Sacks), mas posso investir os 30 reais que ele custou na Brigette's Boutique. Resisto bravamente a água termal da La Roche por 50 reais (ouch!!!!!), mas posso pagar os 18 contos por ela num site gringo. Isto tornou nossos desejos muito mais realizáveis...

O post tá fantástico, realmente a opinião das duas deve ser seriamente respeitada e no mínimo um pouco mais pensada por nós na hora das compras.

Comprar das suas vendedoras de confiança tb nào vai satisfazer a sua porção idealista, pois elas tampouco pagam imposto, dào empregos, etc.

Por conta dessa ideia de idealismo,que venho recusando roupas made in china...elas invadiram os shopppings,lojinhas basicas do centrão,lojas de departamentos...sempre que posso,invisto em marcas nacionais,pagando um pouco mais,mas com esse "idealismo" na cabeça...

Carol, essas meninas viajaram e compraram, como qualquer turista. Mesmo aquelas que moram fora e enviam para seus clientes fazem isso em quantidades tão pequenas que não chegam a ser nem uma piada para uma Strawberry, por exemplo. E ainda assim o risco da taxação existe.

Essa é minha escolha, só isso.

bjim!

Penso como a Ana, e olha que não sou mão de vaca e nem vou aprender a ser. Mas acredito que, cartão por exemplo, nas minhas mãos é festa, então visa nem pensar. É rede shop débito, dinheiro,cheque, ou não compro. Vejo que já gastei muito e, que produtos esta semana cheguei a jogar fora, motivo: validade, pois comprei 8 batons de uma vez, marca boa, e, não deu para usar tudo, cremes, então,melhor não pensar. Aqui no Brasil o consumismo é desenfreado e não podemos passar isto para nossos filhos. É passar adiante livros, brinquedos, jogos, fazendo com que a coisa gire, e não comprar, comprar.
Amei o post, e este devia ser lido por inumeras.
Beijão!!!
Eliana.

Achei mto legal esse post. Acho que pagar caro ou não vai do orçamento de cada um, mas na minha opinião vale a pena investir em um produto mais caro se você sabe que é bom. Mas também não vale fazer de tudo pra comprar um produto de 200 reais se vc nao tem condição pra isso. Nesse caso precisamos avaliar o custo benefício do produto, e muitas vezes um baratinho pode ser quase tão bom como um caro, mas não carrega uma marca ou impostos de importação.
Como diz o ditado, às vezes o barato sai caro, mas acho que muitas vezes o barato pode quebrar um super galho pra quem não tem condições de bancar um produto importado.
Bjos

Adorei o texto, mas não entendi o que é "fazer a egípcia". Desculpem a ignorância, mas alguém me explica?

Assino em baixo do update da Ana.Concordo plenamente! Isso é muito,muito importante...principlamente se tratando de supérfluos.
Bjs.

Izabela, não é ignorância, não, linda...

"fazer a egípcia" é uma gíria, pra quando a gente quer fingir que não está vendo determinadas coisas.

Nas pinturas egípcias, as figuras não estão sempre de lado? Vem daí, de passar de lado, olhando mas não vendo...

Bjim!

Adorei o post, não tem nada para acrescentar.

Tá certo que é sonho de consumo usar MAC, Lancôme e congêneres, mas nem sempre dá. Pelo menos para mim - e imagino que para a maioria das leitoras do blog - existem outras prioridades na vida, coisas que vem antes dos produtos de beleza.

Eu mesma sonho com minha base da MAC, mas já que o dinheiro não dá no momento, me viro com o que tenho à mão. Sem traumas e sem dramas, se algum dia der, sem atropelar minhas finanças, com certeza vou comprar.

O que não dá é ter as gavetas entupidas de MAC, Lancôme, Nyx, Sephora e o que mais for e dever o cartão de crédito ou ficar no vermelho no banco.

Vivi,
ADOREI O POST!! Tu falou tudo e mais um pouco, de como eu penso na hora de comprar meus produtinhos!!Parecia que eu estava lendo algo que eu mesma tivesse escrito! Muito bom!! Sempre pensei assim: porque vou comprar um monte coisa só porque é mais barato se eu não vou usar! E se tenho pra pagar pelas minhas contas ( ou no meu caso é maridon que paga né! ainda bem que ele não reclama!hehe).
Não sinto o minimo remorso financeiro em comprar um batom de mais de R$100 ou um perfume de mais de R$300, esmalte, seja o que for, mas que é algo que eu realmente gosto. Não adiantaria nada comprar algo que eu não fosse usar, seria sim desperdicio!
Beijos!!
ADORO O BLOG!!
Cris G.

Concordo integralmente com o post e seus updates e PSs! rs

Apenas acho que existe uma parcela de consumidores que não são maduros e não têm equilíbrio emocional suficiente pra lidar com esta questão do consumo consciente. E eu justifico:

- É importante priorizar: a necessidade deveria vir sempre ANTES do desejo. Entre comprar o que vc precisa ou comprar aquele lançamento que vc gostaria de experimentar, seria mais lógico adquirir o que é necessário - a não ser que seu orçamento seja farto a ponto de dar conta de tudo. Algumas pessoas priorizam a satisfação imediata de desejos, desbalanceando essa equação;

- Os desejos são legítimos e devem ser levados em conta sim. Desde que eles realmente façam sentido pra vc. O que eu quero dizer com isso? Sabe aquela pessoa que compra compulsivamente cada lançamento e depois os esquece dentro de uma gaveta? Pois é. Ou aquela pessoa que não compra o produto por seus benefícios, mas pelo "status" que ele oferece, mesmo que não seja o seu preferido? Complicado isso... Aí é hora de rever conceitos e pensar sobre os vazios que vc pode estar tentando preencher sem sucesso através da compra de produtos;

- O aspecto "consciente" do consumo é justamente avaliar com critério a questão do custo-benefício, adequando o resultado ao seu orçamento e levando em conta seus valores pessoais, isto é, a visão de mundo que vc possui.

A verdade é que cada um gasta como quiser e sabe quais são as suas prioridades. A questão é que, muitas vezes, existe um desequilíbrio nessa equação porque muitos fatores emocionais estão envolvidos no processo de compra dos produtos de beautè: a questão da autoestima, dos benefícios objetivos, a questão do status, o fato de a pessoa ser mais clássica ou valorizar o que é hype...

Consciência implica em autoconhecimento, visão crítica do mundo e objetividade na análise. Ainda que seja para permitir-se uma extravagância à época do aniversário porque ninguém é de ferro. Envolve seus valores pessoais e o seu grau de maturidade para lidar com a frustração. Detalhes que tem a ver com maturidade emocional - não com idade ou saldo de conta bancária.

Post essencial!!! Parabéns a vocês!

Meninas!!
que otimo post. Prova que mulher bonita, cheirosa e que gosta de coisas aparentemente superfluas, pensa. E pensa muito bem, e alem de pensar, tbem se exprime muito bem. Amei o post,vcs escrevemmuito bem. adoro essas gemeas!!
Pituca
www.dizemquesouvelha.blogspot.com

Eu que estou por aí na flor da juventude (pra não dizer pirralha de 15 anos) quero comprar tudo né! É complicado, porque não tenho experiência com maquiagem praticamente nenhuma, só de blogosfera msm :P estou me aventurando por agora a comprar coisitas importadas. Além disso, não tenho cartão de crédito(o queeee? comoassimné?) kkkk então nem nunca testei comprar em sites brazucas, a renda é de revendedora AVON, etc etc. Tudo a desfavor do meu consumismo que é grandinho. Acho importante ter acesso a esses depoimentos, de gente experiente, consciente e inconsciente em relação a isso, porque já vai me doutrinando no caminho do enorme mundo de makes maravilhosos e outros neem tanto assim.
Resumindo, mandou hiper bem, Vivi!
beijoocas

Possivelmente o melhor post que eu já li no Twins. De verdade.

Com certeza um dos posts mais bem feitos que eu já vi pela blogosfera!
Tem muita gente que deixa de comprar algo que vai estar em contato direto com a sua pele/saúde e que é de uma marca boa, conhecida, confiável para se aventurar em um produto qlqr que seja tantas vezes mais barato só por causa do dinheiro.
Acho que o que falta é o senso do "não posso", do "não é pra mim".
Se você quer comprar uma base mega boa que custa R$200 e não tem condições hoje em dia pra isso, não compre. Vá guardando dinheiro que um dia vc chega lá, até porque se for algo que vc quer msm, e não só fogo de palha, vc vai conseguir juntar o dinheiro necessário.
:)

Puxa! Por pouco não sou a seguidora nº 5000!!
Parabéns pelo blog meninas...Sempre passo por aqui e não me arrependo. Abs, Jê.
http://www.vizinhosdeutero.blogspot.com
Twitter: @vizinhosdeutero

Eu também fico horrorizada com os preços que os produtos adquirem quando entram no nosso país.
Já tive problemas de pessoas desempregadas na minha família e sei como isso é estressante, mas mesmo assim não são raras as vezes em que pago por um produto desses.
Por causa disso, sempre tentei procurar pessoas que vendessem ou trouxessem e percebi que eram poucas. Geralmente era só maquiagem da MAC (o que por muito tempo foi o suficiente para mim rs)
Agora eu tive a oportunidade de também poder trazer essas coisinhas para quem deseja. Consigo quase todas as marcas em um tempo bem inferior ao dos sites internacionais. Se alguém estiver interessado é só me mandar um e-mail (paesjuliana@gmail.com).
Meninas, desculpem a propaganda mas é pq eu acho que esse tipo de "serviço" ajuda muita gente a não entrar no tal parcelamento do cartão de crédito.

Caraca... Identifiquei-me demais...
Tanto no dilema necessidade x desejo, quanto no desgaste da justificação.
Como sempre, VOCÊS ARRASARAM, meninas.

Palmas com louvor! Bis! Bis! Bis!

Também acho que os preços brasileiros são obscenos, mas compro aqui (amo a Época Cosméticos) e compro lá fora também. Questão de equilíbrio. Necessidade e desejo. Questão de equilíbrio também. Qualidade (mínima pelo menos), é o que pesa na minha balança.

Arrasou!

Olha, Vivi, eu estou parando de comprar principalmente porque estive em uma fase aloka dos cosméticos e comprei coisa pra caramba. Agora quero me desfazer de tudo (usando!) antes de me jogar em qualquer coisa nova. Acho que faz sentido, não faz?!

Beijos e sucesso!!!

MEU BLOG: http://www.sabrinamix.com

Postar um comentário

2010 Trendy Twins - todos os direitos reservados Desenvolvido por Projecto Comunicação